Segunda-feira, 3 de Setembro de 2007

Autarcas, responsáveis culturais e músicos falam sobre o Portugal Jazz...

Afonso Pais (Músico)

Setembro de 2007

 

Na natureza, quando não perturbada por catástrofes extremas, a diversidade gera mais diversidade. A uma micro escala, no panorama cultural de um país como seja Portugal, diversidade significa escolha e discernimento por parte do ouvinte / consumidor, que normalmente resulta em dúvida e indecisão, gerando uma resistência "natural" a essa mesma diversidade.
Sendo o Jazz uma forma artística que se caracteriza pelas suas componentes de espontaneidade e liberdade criativa, e por consequência de apreciação acentuadamente subjectiva, a aceitação de determinado projecto, "ensemble" ou estética musical tem lugar habitualmente mediante um conhecimento prévio do historial de cada proposta musical, temática de repertório ou músico. São estes alguns dos factores que, no enquadramento de todo um conjunto de estruturas e moldes que fazem chegar o músico ao público, criam o espaço para uma selecção artística nem sempre imparcial, muitas vezes injusta, por regra delegada a terceiros...
O "público do jazz" não existe verdadeiramente, ou pelo menos não é generalizável aos diversos contextos onde o jazz é apresentado. É verdade que determinado festival de jazz terá provavelmente uma percentagem alta de ouvintes fiéis e habituais, porém só uma fracção destes serão também assíduos frequentadores de apresentações em auditórios. O mesmo se passa com apreciadores de actuações em pequenos clubes, que claramente preferem ouvir o seu músico de eleição de perto, na forma mais tradicional, purista e literalmente "underground".
Bem vinda seja, desta forma, uma iniciativa onde, com o mínimo possível de interferências externas e um máximo de estímulo à criação de propostas inevitavelmente diversas, o músico possa dar a conhecer o seu trabalho ao público. Sendo o propósito angariar público, descentralize-se, no espaço e no tempo, criando assim as condições para que o ouvinte não hesite em decidir por si próprio. Se o objectivo é que a diversidade gere mais diversidade, desejável é mesmo que a aposta na qualidade seja uma decisão resultante do somatório de julgamentos de cada um, e não um fenómeno de tendências ou instituições. Um 2008 cheio de diversidade, PortugalJazz.



publicado por Portugal Jazz às 11:23
link do post | adicionar aos favoritos

AGENDA

Fevereiro
02 e 03 - Coimbra
03 e 04 - Torres Novas
Apoios
Destaques
Fotografia | Vídeo | Reacções
Contactos
geral@portugaljazz.org
Tel +351 239 837 078
Morada
Largo D.Dinis - Apartado 3149
3000 - 401 COIMBRA
tags

todas as tags

arquivos

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Março 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Setembro 2007

Abril 2007

subscrever feeds